Notícia

13/08/2013 - Entrevista: Cláudio Queiroz

Executivo da Topocart fala de suas expectativas sobre o IBG - Instituto Brasileiro de Empresas de Geomática e Soluções Geoespaciais.

No dia 23 de abril de 2013 foi criado o Instituto Brasileiro de Empresas de Geomática e Soluções Geoespaciais (IBG), em uma reunião realizada em São Paulo (SP). Na ocasião, 17 empresas assinaram o acordo para fundar o Instituto, que tem o objetivo de criar uma indústria competitiva, sustentável, ética e socialmente responsável.


Segundo o conselho deliberativo, a meta estabelecida é chegar a 40 associados até o final de 2013 e a 60 até maio de 2014, quando o IBG completará um ano. Atualmente o Instituto conta com 24 empresas associadas. Veja a seguir uma entrevista com Cláudio Márcio Quieroz, Diretor comercial da Topocart – uma das empresas associadas ao IBG – sobre suas expectativas em relação ao Instituto Brasileiro de Geomática.
  

IBG: Por que sua empresa decidiu se associar ao IBG?
Claudio Queiroz: Porque sentimos falta de uma representação forte do segmento para atuar de forma institucional em várias frentes, quaisquer sejam elas: divulgar a importância de nossa atuação no suporte ao planejamento e elaboração dos projetos fundamentais para o crescimento do país; buscar melhor valorização dos produtos cartográficos que, por vários motivos, foram perdendo valor de mercado; atuar na padronização de processos bem como na modernização da legislação atual.

 
IBG: Quais devem ser as prioridades do Instituto?
CQ: Divulgar o preço que o país paga por não conhecer adequadamente seu território, não investir numa cartografia atual e confiável e, até mesmo, não valorizar adequadamente uma cartografia de qualidade.

 
IBG: Como o IBG pode ajudar o mercado de geomática a crescer de forma sustentável?
CQ: Propondo um planejamento para investimentos constantes em cartografia sistemática e sua disponibilização nas várias esferas de governo.

 
IBG: Quais as vantagens para o Brasil em ter um grupo mais forte de empresas do setor de Geomática?
CQ: Além de todos os motivos já mencionados, as empresas de um segmento trabalhando unidas elaboram melhores análises do setor, trocam experiências, atualizam-se tecnicamente e, juntas, podem explorar novos mercados, que sozinhas não conseguiriam.

 
Para mais informações, acesse a página www.ibgeo.org, ou entre em contato com Bruno Born, gerente-executivo do IBG: contato@ibgeo.com / (41) 3338-7789.
 
Fonte: MundoGeo - Por Alexandre Scussel